Esta cidade já foi mais gentil

Acordei cedo, não consegui dormir direito por causa do barulho de motos rodeando o quarteirão durante toda a madrugada, além disso, fui sacudido da cama com o latir de vira-latas desesperados para com os pobres cidadãos que saem para trabalhar antes da aurora do dia.

Assim que tomei meu café, olhei no relógio e atrasado por causa da pressa dos minutos ou quem sabe do meu sossego em não deixar passar nenhum hábito: Fechar cortinas, trancar portão e por Deus! O portão ficou destrancado esta noite, que perigo!

Na avenida o comerciante mais antigo do bairro acena com a mão por detrás do vidro blindado do caixa da padaria, enquanto recorda de uma coronhada no último assalto que sofreu. Pouco mais a frente uma professora do ensino fundamental antes de entrar na sala do principal colégio da cidade recita em voz baixa uma prece que sua mãe lhe ensinou para qualquer momento difícil que passar. Este é um deles, o sinal toca para a primeira turma do dia e a lembrança daquele soco que um de seus alunos deu quando foi repreendido por não copiar a tarefa da lousa vem à tona.

Logo em frente saúdo a dona Arminda 87 anos que atentamente olha através da janela de seu sobrado para toda a rua, um hábito criado antes de abrir o portão, pois fora vítima de sequestro relâmpago quando saia de casa num sábado de manhã para fazer compras.

E aquela moça ali com sono no trem lotado, esperou 40 minutos até conseguir entrar e continua segurando sua bolsa fortemente com as alças dobradas pelo menos três vezes no braço direito. Cautela desde que um vadio tomou sua mochila com todos seus pertences e saiu correndo mundo afora, ninguém ajudou nem mesmo o rapaz da poltrona ao lado.

No hospital público em frente à estação de trem, uma enfermeira tenta acalmar um senhor que reclama depois de receber um pedido de cateterismo por suspeita de obstrução da artéria do coração, mas ela lembra-o que não há previsão de vagas. A enfermeira pelo olhar torce para que aquele simpático senhor não se torne mais um número estatístico das mortes por falta de atendimento médico da cidade.

O que aconteceu com esta cidade? O que aconteceu com nós cidadãos? Ando cheio dessa pressa de chegar, depois de partir, porque tenho sempre tantas coisas por fazer! Não tenho nem tempo para tomar um café no meio da tarde com bolo de fubá e conversa fiada.

Não consigo sair de casa sem uma rota de atividades, desligar todos os alertas de perigo, muito menos caminhar vagarosamente como as crianças que dão seus primeiros passos, tomar um sorvete aos pouquinhos com pena de acabar, esquecer-se do mundo contemplando a chuva na janela. Somos todos prisioneiros, estamos presos, amarrados, atados de alguma sorte. Esta cidade já foi mais gentil.

Anúncios

Um comentário sobre “Esta cidade já foi mais gentil

Gostou? Deixe seu comentário será uma honra!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s